segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Um clube de amigos chamado SADC!

Hoje (17) comemora-se mais um ano da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) que existe desde 1992, quando foi decidida a transformação da SADCC (Southern Africa Development Co-ordination Conference ou Conferência de Coordenação para o Desenvolvimento da África Austral), criada em 1980 por nove dos Estados membros.

Em 2011, a SADC passou a englobar 15 países do sul da África - (2014) Os países membros somam uma população de aproximadamente 210 milhões de pessoas e um PIB de aproximadamente 471 bilhões de dólares.

Antes, um dado importante a destacar é o facto de pela primeira vez o nosso Presidente da República, Filipe Nyusi, estar presente em um aniversário da SADC e discursar entre os seus pares. Outro pormenor é que o Zimbabwe de Robert Mugabe vai passar a presidência a um outro país.


Esta organização foi criada com o propósito de atingir 8 objectivos:
  • Estimular o comércio de produtos e serviços entre os países membros;
  • Diminuir a pobreza da população de todos os países membros e melhorar a qualidade de vida;
  • Maximizar o uso dos recursos naturais da região;
  • Promover o crescimento sustentável dos países do bloco;
  • Promover a paz e bons relacionamentos políticos na região, atuando para evitar conflitos e guerras;
  • Cooperação sócio-económica e política na região;
  • Buscar soluções em comum para os principais desafios da região;
  • Redução e unificação das tarifas alfandegárias e taxas de importação e exportação nas relações comerciais entre os países membros.
Sendo cidadão da SADC, é de louvar que exista um bloco regional, como existem tantos em África, mas, é preciso ver até que ponto durante estes anos conseguimos ser o tão almejado bloco com princípios e propósitos pelos quais nos propusemos a cumprir, pois:

1. É na SADC onde se situam as taxas mais elevadas do HIV/SIDA;
2. É na SADC onde estão alguns países com os índices mais baixos de IDH;
3. É na SADC onde coabitam regimes ditatoriais, caso de Angola e Zimbabwe;
4. É na SADC onde a dita integração regional não passa de uma miragem e a propalada livre circulação de bens e pessoas mostra-se um desafio a suprir, lembrando que a primeira etapa prevista no plano seria o lançamento da zona de comércio livre em 2008, a União aduaneira em 2010, o mercado comum em 2015, a união política em 2016 e da união económica em 2018.
5. É na SADC onde países como Angola e RDC não dão a mínima para a existência desta comunidade;
6. É na SADC onde temos o gigante do continente Africano, África do Sul (um paradoxo);

Até ao momento, os problemas da SADC não encontram solução dentro desta comunidade, como corolário dos problemas da África que também não encontram solução dentro da nossa África, caso concreto na União Africana.

É quase impossível pensar que dentro desta comunidade possa sair uma posição clara e firme de chamada de atenção aos pares de Angola e Zimbabwe que protagonizam atropelos severos a liberdade de pensar e se expressar dos seus cidadãos, digo impossível porque a dita amizade histórica e diplomacia económica falam mais alto.

Dito isto, a SADC vai continuar a ser este clube de amigos e de palmadas nas costas enquanto a região Austral de África se afunda no abismo, ou arriscamo-nos a ser MAIS UM bloco entre tantos.

Sem comentários:

Enviar um comentário