quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Filipe Nyusi não está a governar!


Quando o Presidente da República completou 100 dias governação, escrevi um artigo com o título “100 (cem) dias de governação sem governação de Nyusi”. No mesmo artigo, fazia alusão a vários elementos que teriam condicionado os primeiros 100 dias de governação do presidente, onde destacava-se:

O Governo tem praticamente sete meses para governar e mostrar serviço Maio - Novembro, Dezembro não há nada em termos de governação):

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Mesmo “falidas”, mCel e LAM pagam milhares de dólares aos Angolanos e migalhas para os Moçambicanos

Nas vésperas do concerto do músico Angolano, Matias Damásio, começaram a circular fotos nas redes sociais, fotos sobre a tabela remuneratória que regulou os "cachet" dos artistas que fazem parte do apelidado "Show do ano", com passagem pelas Cidades de Maputo (20) e Beira (27).

O propósito deste artigo não é uma mera comparação que irei a seguir fazer, mas, é preciso não se calar enquanto isso sucede. Ademais, não sou profissional da área e não percebo nada de marketing cultural, mas, escrevo como cidadão que se indigna com o que acontece na nossa música.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Vale a pena expandir o Ensino Superior em Moçambique?

Eu não estudei isso na Escola, por isso, não tenho emprego...!

Essa foi uma das frases que começou por ser "desacreditada" pelo Prof. Dr. Orlando Quilambo (Magnifico Reitor da UEM) que falou no dia 18 de Novembro, na Universidade 'A Politécnica', sobre "A necessidade da Expansão do Ensino Superior e a Empregabilidade dos Graduados", inserido na comemoração dos 40 anos da nossa Independência Nacional.

Desta magnífica aula pude (ainda) reter o seguinte:

1. Sub-emprego é realizar um trabalho que em nada tem ver com a formação do indivíduo, ou seja, ser formado em Biologia e exercer funções de contabilista após a formação;

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Afinal nem todos votam em Manjacaze! (IESE, 2015)

Focalizado no distrito de Manjacaze, este relatório de Pesquisa procura analisar o fenómeno da
Abstenção eleitoral olhando para a dimensão institucional das eleições em Moçambique, com destaque para o funcionamento dos órgãos de gestão eleitoral, a organização dos processos eleitorais e os incentivos institucionais para o voto, nomeadamente a provisão de serviços públicos.
Encontre AQUI o estudo na íntegra.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

No dia em que discutiu-se mais sobre a bandeira da França do que os ataques de Paris

Desde a última sexta-feira (13) que se deram os ataques de Paris, muita informação começou a surgir na media, com destaque para os medias sociais (Facebook e Twitter).

Contudo, no lugar de se discutir os ataques em si, emergiu um novo debate sobre os “mais” e “menos” solidários com os atentados de Paris. Ou seja, começaram a surgir os "falsos moralistas" e "nacionalistas - patriotas da ocasião", o que em certa medida ecoou um chamariz ao racismo.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Professor moçambicano: Ternamente lembrado, eternamente esquecido (CIP, 2015)

O perfil do professor moçambicano é um perfil problemático. Porém, não haveria tantos problemas à volta do professor, se o principal provedor e gestor da Educação, isto é, o Governo, olhasse o docente com olhos de ler.
Descarregue AQUI o estudo.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Stewart Sukuma & Argentina Luís - Ser diferente é normal



Jet-set Nacional (Mia Couto)

Já vimos que, em Moçambique, não é preciso ser rico. O essencial é parecer rico. Entre parecer e ser vai menos que um passo, a diferença entre um tropeço e uma trapaça.

No nosso caso, a aparência é que faz a essência. Daí que a empresa comece  pela fachada, o empresário de sucesso comece pelo sucesso da sua viatura, a felicidade do casamento se faça pela dimensão da festa.

A ocasião, diz-se, é que faz o negócio. E é aqui que entra o cenário dos ricos e candidatos a ricos: a encenação do nosso "jet-set".

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Estamos a ser "enganados" pela estrada Circular de Maputo e pela ponte KaTembe

Maputo, 128 anos!

Quando se realizaram as eleições do dia 20 de Novembro de 2013, a Cidade de Maputo reteve maior atenção do processo, pelas razões que sobejamente já conhecemos.

Contudo, passados quase dois anos, me vejo aqui na qualidade de cidadão para trazer o meu testemunho quanto ao actual estágio da nossa Cidade centenária.

Maputo na qualidade de capital requer uma atenção especial, contudo, há coisas que que não podemos deixar de lamentar:

Índice de Prosperidade (LPI, 2015)

Entre os 142 países analisados pelo Índice de Prosperidade de 2015, Moçambique figura no lugar 119. Entre os países da África Subsariana, é a África do Sul quem está mais bem classificada, no lugar 75, seguido do Botswana em 77.º e da Namíbia em 94.º. Todos os outros países da sub-região estão já na casa das centenas.

No topo da tabela, a Noruega está em primeiro, à frente da Suíça, seguido da Nova Zelândia, Suécia, Canadá, Austrália, Holanda, Irlanda e Finlândia, que completam os dez primeiros.
Consulte AQUI o índice na totalidade.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Eu sou contra a caça de tubarões em Inhambane

Caso: Baia de Inhambane

Sobre a caça dos tubarões há muitos sentimentos que podem pairar entre nós, pois, estamos a falar de um animal que já dizimou vidas e fez vários feridos.

Porém, estamos ao mesmo tempo a falar de um animal que tem o seu habitat na água e merece lá estar sem nenhuma perturbação dos humanos da terra.

Sempre estive contra a atitude que os pescadores e as autoridades de Inhambane decidiram tomar com vista a estancar este mal, pelas seguintes razões:

1. Não será pela caça de um tubarão que se vai acabar com o problema agora instalado, pois, a caça de um pode provocar o surgimento de tantos outros que desconhecemos;

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Estude na Suécia em 2016 (Bolsas)

 A embaixada da Suécia em Maputo abriu a nova temporada de bolsas para cursos de Mestrado na Suécia, a partir de 2016. Acesse AQUI e se candidate.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Fim dos professores-TURBO?

1º Conselho Coordenador do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESP) - 30/10/2015

Os docentes das diversas instituições de ensino superior existentes no país passam, a partir de 2016, a estar proibidos de leccionar em mais de um estabelecimento de ensino, no quadro de medidas que o governo está a adoptar visando garantir a qualidade.

Desta feita, se um docente lecciona numa determinada universidade fica impedido de exercer a actividade lectiva em qualquer outra, devendo portanto se dedicar única e exclusivamente à instituição de ensino superior onde está vinculado e cadastrado.
*
Meu comentário: