terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O que está por detrás da má qualidade das obras públicas?

Essa uma é pergunta que este texto vai tentar responder apresentando algumas hipóteses tendo como base o exemplo do desabamento do muro de uma das paredes da piscina da Vila Olímpica, na Cidade de Maputo.

Na verdade o que sucedeu na piscina da Vila Olímpica não devia nos surpreender quando já temos alguma noção do tipo de obras que são uma armadilha para os moçambicanos em particular, e para África no geral. É mesmo uma armadilha porque os empreiteiros estrangeiros lá nos seus países não constroem assim como fazem em Moçambique.

Mesmo sabendo que a obra da Vila Olímpica não foi feita por "chineses" não devíamos nos surpreender com este tipo de empreitadas que só mostram o quão vulneráveis somos como país.

Nos últimos anos os "chineses" ultrapassaram os "gigantes" portugueses e tomaram conta de quase todas as obras públicas neste país, a qualidade do material usado para os países Africanos é de terceira linha e os resultados não podiam ser outros.

Os empreiteiros “chineses” são conhecidos por serem cumpridores de prazos, diferente de outros empreiteiros, mas essa rapidez sempre foi de desconfiar. Na verdade as obras que os "chineses" fazem aqui são à prazo, devemos ter em mente que mais dia ou menos dia ficarão para história ou a sua degradação será rápida.

Existem obras de qualidade executadas pelos empreiteiros “chineses” e que até a presente data apresentam qualidade. Porém, cabe-me destacar alguns exemplos de obras que deixam a desejar quanto a sua qualidade: quem não lembra das obras do Aeroporto Internacional de Maputo que dias depois da inauguração teve infiltração de água; a degradação dos apartamentos da Vila Olímpica e quem nunca viu como se encontra hoje o edifício da Procuradoria-Geral da República -> pálida e com rachas.

Isso só acontece em países onde a escolha dos empreiteiros faz-se na base do nepotismo, amiguismo, comissões em que para piorar não temos uma base de fiscalização de obras credível.

Sem comentários:

Enviar um comentário